Infância

PROJETOS PRINCIPAIS

Domingueiração (2001)

Evento de mobilização com atividades socioeducacionais, artísticas, esportivas e recreativas. Caracterizado pela integração entre entidades sociais, moradores de rua, grupos artísticos e musicais, voluntários, empresas, comunidade e poder público. Realizou-se no Elevado Costa e Silva, em São Paulo.

Mais Que Festa (2001)

Ação em conjunto com creches, na qual crianças da comunidade de Heliópolis divertiram-se por um dia inteiro, aprendendo com desenho, pintura, massinha de modelar, argila, contadores de histórias, dobradura e mímica.

Brincandando

Em parceria com a IPA Brasil, ensinou direitos, deveres e respeito por meio do lúdico: uma brincadeira na qual os participantes ganhavam, ao final, o certificado de “aventureiro”.

Maquete Social

Atividade lúdica, na qual cada participante construiu espontaneamente uma casa ou espaço público com caixas de papelão e outros materiais simples e reaproveitáveis. Em seguida, reuniram-se todos para iniciar a montagem da maquete (cidade), originando uma conversa lúdica e interativa sobre a vida comunitária. Abordou aspectos como cidadania, aproveitamento dos espaços públicos, relacionamento interpessoal, problemas sociais e infraestrutura urbana (lixo, saúde, educação).

Supimpa (2003)

Cidadania dos 8 aos 80! Esse é o lema do projeto que originou oficinas e atividades complementares relativas a temas de Cidadania e Meio Ambiente. Entre seus desdobramentos, é possível citar Comunicação para a 3ª Idade, Brinquedo Pet, Sucata Musical, Papietagem, Fantoche, Balão Cidadão, Fotografia que Transforma e Reciclagem de Papel.

Estação Atitude Cidadã (2005 a 2009)

Projeto que implementou e apoiou a criação de espaços seguros para crianças em comunidades de São Paulo. Seu objetivo é diminuir a exposição aos riscos sociais a que as crianças de 0 a 12 anos estão expostas por meio de abordagens cidadãs que envolvam a família e a comunidade. O projeto se desenvolveu em três regiões distintas: Grajaú (indicada pelo Poder Público Municipal), Capão Redondo (escolhida pelo Ato Cidadão com base em diversos indicadores sociais) e Guarani (comunidade indígena urbana da região do Jaraguá).

Polos De Brincar (2012)

Desenvolvido em ambientes fixos e abertos em cada subprefeitura. Coube ao Ato Cidadão atender a Zona Norte paulistana, nos polos de Brasilândia, Casa Verde, Santana, Vila Maria e Jaçanã, tendo como premissa a reapropriação do espaço público como local de ocupação legítima para a convivência comunitária.

 

PROJETOS ESPECIAIS

Intervenção e Estudo: condições de vida de crianças de 0 a 8 anos que vivem nos cortiços da Região Central de São Paulo (2011/2012)

Ao apresentar essa proposta de estudo, focada especificamente no distrito de Santa Cecília, percebeu-se a necessidade de, primeiramente, mensurar a quantidade de crianças vivendo nessas condições. Assim, foram utilizados, além de intervenções e visitas diretas, métodos inovadores de aproximação. Com isso, foi possível medir a necessidade de investimentos, bem como na melhoria das condições de vida das crianças.

Criança é Central – Fase I (2013/2014)

Consistiu em um conjunto de ações combinadas: mobilização de famílias, articulação com poderes Executivo e Legislativo e atividades para as crianças (desenvolvidas em ruas, praças, creches e outros centros da comunidade). Suas ações almejaram o fim de qualquer forma de violência, a melhoria das condições para um pleno desenvolvimento sadio e o fortalecimento dos direitos infantis.

Esse projeto propôs o início de um movimento efetivo pela erradicação da violência; nele, os direitos da criança que vive em habitações coletivas e em situação de extrema vulnerabilidade no centro de São Paulo são contemplados no planejamento de políticas públicas.

Criança é Central – Fase II (2014/2018)

É composto por um conjunto de ações combinadas para mobilização: criação de cinco centros de atendimento para a criança na Primeira Infância e suas famílias, articulação com poderes Executivo e Legislativo e atividades (desenvolvidas em ruas, praças, creches e outros centros da comunidade). Suas ações almejaram o fim de qualquer forma de violência, a melhoria das condições para um pleno desenvolvimento sadio e o fortalecimento dos direitos infantis.

Esse projeto propôs o início de um movimento efetivo pela erradicação da violência; nele, os direitos da criança que vive em habitações coletivas e em situação de extrema vulnerabilidade no centro de São Paulo são contemplados no planejamento de políticas públicas.

Criança, Lazer, Cidadania e Sustentabilidade (2017)

Essa parceria com a FUMCAD-SEME busca garantir as condições para um pleno desenvolvimento sadio de crianças e adolescentes no ambiente em que vivem. Isso se dá por meio de participações diretas em atividades no âmbito da convivência familiar e comunitária. A metodologia se desenvolve a partir de atividades lúdicas, envolvendo família e a comunidade fundamentadas em um conjunto de estratégias.

Dentro da metodologia proposta, enquanto as atividades se desenvolvem para crianças e adolescentes, as demais estratégias são trabalhadas com a família e comunidade. Os principais pontos a ser desenvolvidos são: estímulos à prática de atividades lúdico-esportivas que favoreçam o desenvolvimento e saúde, ações de articulação local, realização de atividades lúdicas envolvendo a família e a comunidade e estímulo à participação intergeracional.